Associação entre “shuttle run” e “shuttle run” com bola e sua relação com o desempenho do passe no futebol

Artigo publicado na RBCM em 2006. Escrito por Leonardo José da Silva, Douglas Roque Andrade, Luís Carlos de Oliveira, Timóteo Leandro de Araújo, Ana Paula Silva e Victor Keihan Rodrigues Matsudo


Resumo – Os objetivos do estudo foram: verificar a associação entre os testes de agilidade “Shuttle Run” (SR) e “Shuttle Run” com bola (SRB) em jogadores de futebol em diferentes categorias, posição de jogo e estágios maturacionais; e determinar a associação entre o SRB e o desempenho do passe em partida oficial. Metodologia: 96 meninos, entre 10 e 17 anos, divididos em quatro categorias: pré-mirim, mirim, infantil e juvenil, considerando ainda a posição de jogo (laterais, zagueiros, volantes, meio-atacantes e atacantes); e estágios maturacionais: pré púbere, púbere e pós púbere. Foram analisadas as variáveis: peso, estatura, maturação sexual, agilidade (SR) e agilidade específica para jogadores de futebol (SRB). Foi determinada a correlação entre a agilidade dos praticantes e o desempenho do passe na partida, mediante a avaliação de 4 jogos (2 vitórias e 2 derrotas). Resultados: Quando analisados todos os jogadores, encontramos uma correlação moderada significativa (r = 0,66) entre os testes SR e SRB. As associações encontradas em todas as posições variaram de baixa (r= 0,34) a alta (r = 0,81), evidenciando correlação alta e significativa nos zagueiros (r= 0,81), moderada significativa nos atacantes (r= 0,51), laterais (r=0,58) e volantes (r= 0,68). Correlação baixa não significativa foi encontrada somente entre os meio-atacantes (r=0,51). Foi evidenciada alta correlação entre SR e SRB na categoria juvenil (r= 0,78) e moderada nas categorias infantil (r= 0,63), mirim (r= 0,64) e pré-mirim (r=0,64), todos os valores foram significativos. Nos estágios de maturação sexual foram evidenciadas correlações moderadas significativas entre os testes, pré-púbere (r= 0,56),
púbere (r= 0,61) e pós-púbere (r= 0,63). Os resultados encontrados mostraram correlação negativa, moderada e significativa (r= -0,40) entre o teste SRB e o desempenho do passe bom com coeficiente de determinação de 16%. Conclusão: O conjunto dessas informações permitiu concluir que o teste de SRB mede dimensões de agilidade que o teste de SR comum não alcançou, sugerindo, desta forma, que o SRB possa estar medindo uma agilidade mais específica, ou mais própria para o futebol. A associação significativa entre SRB e o desempenho do passe bom indica que o SRB pode predizer a qualidade do passe em situação real de jogo no futebol.
Palavras-chave – Agilidade Específica, Aptidão Física, Futebol, Treinamento

download