Padrão de passos de mulheres hipertensas de um programa estratégia de saúde da família (ESF)

Artigo publicado na RBCM em 2011. Escrito por Mauricio dos Santos, Timóteo L. Araújo, Fernanda Cruciani, Leonardo J. da Silva, Erinaldo L. Andrade, Victor K. R. Matsudo


RESUMO: O objetivo do estudo foi determinar o padrão de passos em mulheres hipertensas e correlacionar com as variáveis antropométricas. Foram avaliadas 54 mulheres hipertensas, com idade entre 32 a 80 anos, pertencentes ao Programa Estratégia de Saúde da Família da cidade de Taboão da Serra, região metropolitana de São Paulo. O padrão de passos foi avaliado por meio do pedômetro SW200. Os grupos foram divididos de acordo com a média de passos durante a semana em sedentária (<5.000 passos), irregularmente ativa (5.000 – 9.999 passos) e ativa (>10.000 passos). As variáveis antropométricas mensuradas foram Peso Corporal (PC), Estatura (E) e Circunferência da Cintura (CC). O IMC foi calculado utilizando as variáveis PC e E. Para análise estatística utilizou-se o Sperman rho e o teste de Wilcoxon. Utilizou-se o software SPSS 13. O nível de significância adotado foi p<0,05. De acordo com o número de passos, 25,9% foram consideradas sedentárias, 57,4% irregularmente ativa e 16,6% como ativas e a média de passos entre os grupos foi 3561 ± 1136; 7287 ± 1369 e 14082 ± 2209 respectivamente. O padrão de passos no fim de semana foi inferior aos dias da semana em que os resultados foram 8564 ± 4258 e 6298 ± 4128, respectivamente (p<0,05), uma redução de 26,4%. Houve uma correlação inversa entre a média de passos e IMC (r = -0,24) e a circunferência de cintura (r = -0,23). Concluiu-se que a maioria das avaliadas não alcançou a recomendação mínima de passos semanais. O número de passos foi associado a menores valores de IMC e circunferência da cintura. Houve redução de passos no fim de semana quando comparado aos da semana.

Palavras-chave: Hipertensão; Sedentarismo; Padrão de Passos; Pedômetro.

download